22 de Setembro de 2017

Linhares, 25ºC Nublado

NOTÍCIAS - Entrevista


As faces gestora, política e atleta de um secretário municipal

14 de Jul de 2017 Autor: Caroline Pereira

As faces gestora, política e atleta de um secretário municipal

Em entrevista ao jornal Correio do Estado, Lucas Scaramussa, Secretário de Meio Ambiente de Linhares, fala sobre os projetos da pasta, cujo tema é considerado crítico nos dias atuais, e compartilha detalhes de sua história de vida, que inclui uma antiga paixão por esportes. 

Quem faz uma busca na internet pelo nome do Secretário de Meio Ambiente de Linhares, Lucas Scaramussa, se depara com diversas notícias relacionadas a seu trabalho na pasta, participação na política e na área jurídica (por ser ele um advogado), mas também acaba por conferir outras curiosidades a respeito desse capixaba – nascido em Vitória, mas criado em Linhares – de 38 anos de idade. Lucas já foi piloto de motocross, uma modalidade esportiva cujas provas são realizadas em circuitos fechados, normalmente com piso de terra muito acidentado. Apaixonado por esportes, hoje ele prefere se dedicar às corridas e pedaladas de bicicleta pelas ruas da cidade, mas ainda mantém o espírito competitivo e saudável que as atividades esportivas proporcionam.

Em entrevista ao jornal Correio do Estado, Lucas falou sobre sua paixão pelo esporte, seu gosto pela sala de aula (ele é professor das disciplinas de Direito Ambiental e Urbanístico e Processo Penal no curso de Direito, da Faculdade Pitágoras) e, principalmente, seus desafios numa pasta cujo tema ganha cada vez mais relevância nas esferas municipal, nacional e até mesmo global. Confira: 

Jornal CE: Como se deu o seu ingresso na vida política e qual foi o primeiro cargo que você desempenhou?  

Lucas Scaramussa: Eu sempre quis seguir carreira na área de humanas, com algo que lidasse com pessoas. Por isso, aos 16 anos de idade, fui trabalhar no comércio e atuei em várias lojas conhecidas em Linhares, como a Desvio e a Marca Boutique. Isso me proporcionou um contato com o público e um prazer por estar envolvido com ele. Um dado dia, também tive a ideia de ir para Portugal e tentar a vida. A família foi até contra, mas eu quis ir. Na época, eu tinha 18 anos e fiquei no país europeu por apenas seis meses, pois as oportunidades não eram tão boas e eu era (e sou) muito apegado às pessoas e à família. De volta ao Brasil, fui fazer faculdade e entrei no curso de Economia na UNESC de Colatina. Porém, depois de um ano de estudos, vi que estava me afastando da área de humanas. Foi então que troquei pelo curso de Direito e me encontrei, especialmente pela afinidade que tive com as áreas de Direito Constitucional e Ciências Criminais. De lá para cá, sempre estudei muito as questões de cidadania, desenvolvimento social, geração de empregos, entre tantas outras, e isso, de certa forma, me aproximou das questões políticas. Após a graduação, fui atuar na área acadêmica, dando aulas na faculdade. Naquela oportunidade, como professor, a Lucileia Zanon, esposa do Prefeito Guerino, e a Aninha Paraíso, que era diretora da Unilinhares, me deram a oportunidade de desenvolver um bom de trabalho e, consequentemente, de me tornar conhecido no meio. Tempos depois, tive uma conversa com o Guerino, que na época buscava uma pessoa com um perfil parecido com o meu para ingressar em sua equipe de trabalho, ou seja, alguém que se preocupava com essas questões relacionadas aos direitos e ao bem-estar das pessoas. Foi nesse contexto, no ano de 2009, que entrei na vida pública como secretário da pasta de meio ambiente, pois ela possui total relação com os valores que mencionei e também porque eu dava aula de Direito Ambiental e Urbanístico, área na qual sou especialista.  

Jornal CE: Que desafios você recebeu naquela época? 

Lucas Scaramussa: A pasta não tinha praticamente nada estruturado. Por isso, o primeiro desafio foi montar uma equipe de trabalho. Também foi preciso estabelecer o relacionamento da secretaria com a comunidade, criar e gerir um conselho de meio ambiente, entre outras necessidades. Entretanto, naquele tempo, a questão mais urgente estava relacionada à área urbanística. A lei diz que todo município que possui mais de 20 mil habitantes precisa ter um plano diretor, que oferece parâmetros de como deve ser o crescimento e o funcionamento da cidade. A gente tinha esse plano diretor, mas ele não era implementado. Logo que essa pendência começou a ser resolvida, começamos a desenvolver projetos de interesse ambiental propriamente ditos, especialmente os de conservação. 

Jornal CE: E quais foram as primeiras realizações da pasta? 

Lucas Scaramussa: Criamos um fundo ambiental, que já foi considerado o mais expressivo do Estado é, até hoje, é o maior do Espírito Santo. Na época, cheguei a ir na Rio+ (uma conferência das Nações Unidas que discute questões relacionadas a meio ambiente e desenvolvimento) para falar sobre como a gente implementou esse fundo. Também criamos o projeto de coleta seletiva, que nasceu e depois ficou estagnado. Agora, tentamos caminhar com ele de novo. Criamos o Conselho de Meio Ambiente, trouxemos o licenciamento ambiental para Linhares, enfim, criamos a estrutura do sistema ambiental municipal. 

Jornal CE: Quais são os atuais desafios? 

Lucas Scaramussa: No começo deste ano, quando assumi a pasta novamente, eu sabia que seria mais complexo obter resultados. Em 2009, eu não tinha a estrutura adequada, mas nós montamos uma equipe que queria, de fato, produzir. Víamos um campo grande de crescimento e em quatro anos, nossa pasta se tornou referência para outros municípios. Agora, vi que a cadeia de trabalho está estabilizada, porém, temos muitas demandas reprimidas. Também não contamos mais com os recursos que tínhamos em 2009. Contudo, a equipe não poderia ficar parada, esperando as coisas melhorarem para começar a produzir. Foi então que decidimos dividir os trabalhos em três frentes: a de conservação ambiental, a de controle e fiscalização e a de licenciamento ambiental. No dia 5 de junho, na semana do meio ambiente, Linhares se tornou a primeira cidade do Espírito Santo a assumir o licenciamento ambiental. Esse foi o maior ganho que tivemos recentemente, foi onde vi que poderíamos contribuir com a cidade, com o setor produtivo e também com aqueles que precisam de oportunidades. Agora, o município tem a tarefa de fiscalizar, acompanhar e deferir os pedidos de licenciamento, sem precisar aguardar parecer do Iema (Instituto estadual do Meio Ambiente) que hoje, em virtude do acúmulo de solicitações em todo o Estado, não consegue acompanhar a demanda em tempo hábil. 

Jornal CE: E o que mais? 

Lucas Scaramussa: Já na área de conservação, desenvolvemos dois grandes projetos: um deles é o de reflorestamento da mata ciliar no entorno do Córrego Rio Quartel, que tem o objetivo de recuperar e manter os recursos hídricos existentes na região. Já havia um projeto de reflorestamento feito pela própria comunidade com a ajuda do Incaper, mas o custo disso é muito alto. Por isso, nós entramos também na parceria para desenvolver o projeto. O município abraçou a causa e vai fornecer as árvores para o reflorestamento dos 10 hectares de mata ciliar. Caberá à comunidade fazer as covas, preparar o terreno, realizar o plantio e até a manutenção, sempre com a assistência do Incaper e com o acompanhamento da Secretaria de Meio Ambiente. Esse é o primeiro projeto de reflorestamento de uma área degradada no município de Linhares. Só que faltava algo para esse projeto. Não basta reflorestar, tem que armazenar recursos hídricos. Foi então que conversamos com a Secretaria de Agricultura para pensar numa barragem para a região do Baixo Quartel. Já tínhamos a barragem do Farias planejada e, recentemente, conseguimos incluir a do Baixo Quartel. Outro projeto, também de conservação, é o do plano diretor de arborização da cidade. Lançamos um edital, ainda na semana do meio ambiente, com um plano de expansão de área verde urbana. Vamos fazer um estudo por quase um ano para identificar todas as áreas verdes do município, calcular o coeficiente de área verde por habitante e promover um processo de expansão. Por fim, outro projeto que temos consiste em criar uma divisão da guarda civil ambiental. Hoje, contamos com guardas ambientais com poder de controle, mas sem o poder de polícia. Isso é importante, por exemplo, para casos de fiscalizações sonoras em períodos noturnos. Infelizmente, o fiscal ainda não é visto como uma autoridade e, por vezes, é até ofendido. Já temos na lei o reconhecimento da guarda civil ambiental e vamos fazer um termo de cooperação das duas secretarias (segurança pública e meio ambiente) para estabelecer uma divisão conjunta e criar a guarda civil ambiental, além de promover o disque silêncio e o disque ambiental 24 horas. Essa seria uma ação na área de controle e fiscalização. 

Jornal CE: Você já foi candidato a deputado federal e foi o linharense mais bem votado. O que pensa sobre as reformas que estão em andamento no Congresso Nacional?   

Lucas Scaramussa: O momento de crise que o Brasil atravessa hoje é muito triste, mas esse é um sofrimento necessário. Precisamos passar muitas coisas a limpo e creio que o cenário futuro vai ser diferente. Contudo, mudanças planejadas que eram boas para o país estão acontecendo no meio dessa crise. A reforma trabalhista é importante e necessária, mas possui pontos que não deveriam passar adiante, da forma como aconteceu. Cito, como exemplo, a questão levantada pela oposição, que tentou negociar a votação de um destaque à reforma trabalhista para impedir que gestantes ou lactantes trabalhem em locais considerados insalubres, mesmo que autorizadas por um médico, como consta no texto atual. Outra reforma importante seria a tributária que, no meu ponto de vista, deveria ter vindo antes da trabalhista, mas ninguém quer discutir esse tema no meio da atual crise. É importante citar também a necessidade de uma reforma política. 

Jornal CE: Você é considerado um político jovem e que tem um grande futuro na área. Entretanto, boa parte dos jovens era ou ainda é vista como uma parcela da população que tem pouco interesse nos problemas do país. Você concorda com essa afirmação ou acha que o interesse dos mais novos sobre o assunto está ressurgindo?

Lucas Scaramussa: A geração jovem de hoje só quer uma coisa: oportunidade. Ela não quer riqueza, nem poder, e sim oportunidade e um país com mais cidadania, algo que diminui as diferenças sociais. No passado, essa geração não queria discutir política porque não via resultado em nada do que era feito. Mas, de uns tempos para cá, os mais novos, e até os mais velhos, que falavam que as mudanças não dariam em nada, passaram a ter uma nova perspectiva.  Por isso, tenho acreditado mais na juventude.  Hoje, nas mesas, vemos pais e filhos conversando sobre o assunto. As duas gerações estão convergindo para um mesmo ideal, para uma mesma forma de pensar e acreditar. 

Jornal CE: Quem é o Lucas fora da vida pública e da universidade? 

Lucas Scaramussa: Sempre gostei muito de esportes, desde pequeno. Já pratiquei surfe, vôlei, ciclismo e até corrida. Surfei muito na infância e cheguei a participar de campeonatos naquela época e até mais recentemente. Também já fiz trilhas, fui piloto de motocross por mais de 10 anos e quase fui campeão capixaba. Porém, como eu me machucava demais (quebrei clavícula, dedo do pé e fêmur), vi que era hora de parar. Depois, comecei a pedalar e até disputei algumas provas da modalidade. Hoje, estou fazendo planos de participar da etapa capixaba de triatlo, pois também gosto de nadar, além de correr e andar de bike. Já estou até me preparando. Acordo às 4h da manhã para pedalar, duas a três vezes por semana. E no fim do dia treino a corrida, pelas ruas da cidade mesmo. Os treinamentos de natação eu faço na Lagoa Nova, acompanhado de colegas, e também numa piscina. Uma das etapas capixabas da competição de triatlo está marcada para agosto e, se tudo der certo, irei competir.  


 

 

© Todos os direitos reservados 2017 - Jornal Correio do Estado

É permitido a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte.